terça-feira, 4 de junho de 2013

CONVIDEI PARA JANTAR OUTRA GERAÇÃO DA FAMÍLIA - PARTICIPAÇÃO RECEBIDA POR EMAIL


No início da semana, consultei alguns livros de culinária para identificar uma receita de confecção simples e que descrevesse o processo com detalhe, incluindo tempos de preparação e de confecção.
Elegido o prato principal a cozinhar, elaborei uma lista com os ingredientes necessários e dirigi--me ao mercado numa manhã cedo, a meio da semana, não só, para conseguir adquirir produtos mais frescos, mas, sobretudo, para poder experimentar antecipadamente a minha capacidade de levar esta iniciativa bom porto.

No final da semana fui buscá-la como habitualmente à hora combinada.
Correu para os meus braços e beijou-me efusivamente. Quase de imediato, perguntou-me onde iriamos jantar desta vez.

Normalmente não repetíamos o restaurante, facto que funcionava como motivação extra para quem, como ela, vivia intensamente cada nova descoberta, cada nova experiencia.
Foi então que lhe disse que iriamos comer em casa e eu confeccionaria a refeição.

O sorriso desapareceu, os olhos focaram-me como dois potentes faróis e, na sua cabeça (imaginei) um turbilhão de factos, imagens, experiencias que gravitavam sem descanso, sem resposta.
É que ela nunca me tinha visto cozinhar (nem um ovo estrelado) e, além disso, possuía um paladar refinado, habituada a degustar a qualidade gastronómica, quer materna quer da avó.

Fizemos a viagem em silêncio, até casa.
Ela dirigiu-se à sala e viu que a mesa já estava posta.

Eu enfiei um avental branco e barrete de cozinheiro a condizer e disse-lhe que iriamos jantar dentro de 20m.
Ela esboçou um sorriso ao ver-me trajado daquela maneira mas, não abrandou a expressão insegura e circunspecta que trouxera desde que lhe tinha revelado que, desta vez,  iriamos comer em casa.

Chegou então o momento da verdade.
Sentámo-nos à mesa e servi-lhe o prato que tinha acabado de cozinhar.

Cortou um pedaço minúsculo e meteu-o na boca. Mastigou-o suavemente, degustou-o com agrado e soltou um grito de alegria e prazer:
Pai! Mas está bom!


BERINGELA COM COGUMELOS


Ingredientes:
1 Beringela bastante grande
300 gr de cogumelos variados
1 cebola pequena
1 pimento vermelho pequeno
1 dente de alho
Azeite, salsa, sal, pimenta










Preparação:
Aquecer o forno a 200º
Partir a beringela ao meio, longitudinalmente, e retirar todo o miolo sem danificar a casca.
Cortar o miolo em pequenos pedaços, salpicar de sal e reservar durante 30m. Depois passar a mistura por água por passador para retirar o sal. Secar bem com um pano ou papel absorvente. Fatiar os cogumelos e cortar o pimento vermelho em pedaços pequenos.
Picar a cebola e o dente de alho finamente.
Num tacho, colocar um fio de azeite e cozinhar o miolo da beringela  em lume brando durante 10m
Noutro tacho, fritar o alho e a cebola em azeite. Quando esta estiver transparente, juntar o pimento e os cogumelos e cozinhar em lume brando por 10 m.
Rechear cada uma das metades da beringela com os preparados atrás referidos, espalhando por cima salsa finamente cortada.
Levar ao forno durante 15m.
Juntar uma fatia de pão caseiro, ligeiramente torrado no forno, levemente esfregado com um dente de alho e temperado com azeite e orégãos.
Acompanhar com uma salada mista e farta (alfaces roxa e frisada, rúcula, cenoura ralada, tomate e azeitonas descaroçadas).

Anónimo

1 comentário:

  1. Fantástico! É realmente uma descrição fabulosa da reação de alguns convidados desta edição. O meu com toda a certeza que ficaria bem espantado ao ver-me cozinhar pois nunca viu.
    Adorei a receita e a participação deliciosa.

    Bjnhos e uma semana fabulosa.
    http://saborescomtempo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar