sábado, 25 de fevereiro de 2012

Outra tarte de maçã



Uma tarte fresca e saborosa, que não utiliza farinha nem açúcar. Mais uma receita do curso de culinária macrobiótica do IMP, ainda que com pequenas adaptações.
As dosagens indicadas permitem fazer uma tarte média, diria adequada para 6 pessoas. 
As opiniões de quem provou esta tarte feita por mim são, até agora, favoráveis.

Antes de começar proponho que se reúnam os ingredientes necessários: 

Base da tarte:
- sêmola de trigo, 200gr;
- sumo de maçã, 1/2 litro;
- 1 pau de canela;
- geleia de arroz, cerca de 1/2 frasco de 500gr.

Cobertura:
- sumo de maçã, 1 a 2 dl;
- agar agar, 1 colher de sopa;
- maçãs, 2 a 3 unidades.

Modo de fazer:

Base:
Levar ao lume o meio litro de sumo de maçã, juntamente com a geleia de arroz e o pau de canela. Depois de levantar fervura, deixar cozinhar 2 a 3 minutos. Juntar de seguida a sêmola de milho, À medida que se vai mexendo suavemente com um garfo para que a mistura fique homogénea. Deixar cozinhar durante cerca de 5 minutos. Pretende-se que fique uma massa com a consistência semelhante a da massa de bolo, ainda que a textura seja um pouco diferente.
Esta base pode ser utilizada para fazer bolos/tartes diversas.
Sugestão: pode juntar-se à mistura inicial algumas passas, sendo que, nesse caso, deverá triturar-se a massa final para que tudo fique homogéneo.
No final vai ao forno pré aquecido, em forma previamente untada, durante cerca de 20 minutos.

Cobertura:
Num tacho, ainda fora do lume, demolha-se a agar agar no sumo de maçã, durante um mínimo de 7 a 8 minutos. Leva-se depois ao lume e juntam-se as maçãs previamente descascadas e cortadas em fatias finas. Deixa-se cozinhar lentamente até que a maçã esteja bem cozinhada. 
No final pode optar-se por triturar ou não o resultado, da mesma forma que se pode adicionar mais um pouco de sumo de maçã caso se pretenda uma maior quantidade de cobertura e/ou um pouco de geleia de arroz se se pretender um resultado mais doce. De notar que a agar agar é uma gelatina de origem vegetal, sendo que esta cobertura solidifica depois de arrefecer. Desta forma, não há motivo para preocupação quanto à consistência final. 
A cobertura deve ser colocada por cima da massa já cozida e depois de arrefecida.

Duas a três horas depois, a tarte está pronta a servir. Pode ainda decorar-se com umas gotas de natas de aveia e/ou umas folhas de hortelã.

3 comentários:

  1. Que bom aspecto!
    Mas tenho uma dúvida: é semola de trigo ou de milho?

    Grata pelas partilhas! estou a "devorar" este blogue!

    **rita

    ResponderEliminar
  2. Que bom aspecto!
    Mas tenho uma dúvida: é semola de trigo ou de milho?

    Grata pelas partilhas! estou a "devorar" este blogue!

    **rita

    ResponderEliminar
  3. Olá Rita! Fico contente que estejas a gostar do blogue - coloca todas as dúvidas que tiveres! ;)
    Quanto à sêmola, é mesmo de trigo - vende-se na maioria das lojas de produtos naturais (pelo menos no celeiro costuma haver). É possível que tb resulte com a sêmola de milho, mas nunca experimentei..
    Beijinhos e bons cozinhados!

    ResponderEliminar