terça-feira, 19 de abril de 2011

Bolinhos de grão


Na picadora juntei cerca de uma concha de grão de bico previamente cozido, uma cebola e uma cenoura em pequenos pedaços, coentros, uma colher de chá mal cheia de puré de ameixa umeboshi e outra de pasta de sésamo. Juntei ainda um pouco de água e uma colher de sobremesa de amido de milho. 
Depois de tudo bem picado coloquei numa frigideira anti-aderente bem quente, previamente untada com um pouco de azeite.
Pretendia fazer hamburguers de grão mas, não tendo conseguido manter-lhes a forma, acabei por mexer tudo com a ajuda de uma colher de pau, mantendo o lume acesso por cerca de cinco minutos.
No final formei pequenas esferas, que passei por um pouco de gomásio.

Gomásio não é mais que um tempero feito num almofariz (ou mais idealmente num suribachi para facilitar a moagem), juntado cerca de 10 partes de sementes de sésamo tostadas com 1 parte de sal marinho também previamente tostado. Ver aqui como tostar. Guarda-se, depois de feito, e à semelhança das sementes de sésamos tostadas, em frasco bem fechado.

Acompanhei os bolinhos de grão com arroz integral com cevada e alga wakamé, rodelas de beterraba cozida e uma salada de alface. Só faltaram os pickles. Talvez para a próxima. Ainda assim, muito bom.

6 comentários:

  1. Não está longe das falafel. Também estas já me correram mal, muito até, but not anymore.

    ResponderEliminar
  2. Experimenta - experimenta que hão-de sair bem. A ideia de fritar depois também não me parece mal, como as falafel (estive a espreitar agora mesmo a receita). Também dá para fazer, ao que parece, com lentilhas. Para os hamburguers, possivelmente teria de pôr mais farinha, para se conseguirem virar na frigideira.

    ResponderEliminar
  3. O meu problema com as falafel estava nas receitas que eu lia. Não se podem fazer com o grão cozido, como é indicado em muitos sítios. O grão é apenas demolhado (overnight) e triturado assim. Se for cozido, desfaz-se tudo na fritura. Em alternativa ao grão, as falafel tb são feitas, em alguns países árabes, com favas. Mas nunca experimentei.
    Nos hamburgers disto e daquilo tenho usado tb farelo de trigo. Assim põe-se menos farinha. E pelas últimas experiências, a melhor técnica é cozinhar muito lentamente, em fogo muito baixo. A consistência da massa parece indicar que se vai tudo desfazer, mas se lhe dermos bastante tempo, ficam firmes e depois, ao virar, já não há problemas. Claro que podem ir ao forno. Há menos riscos.
    Também gostava de fazer um curso desses que fizeste. Quem sabe um dia, quando tiver tempo e não tiver que trabalhar aos fins de semana...
    Bons macrobianços!

    ResponderEliminar
  4. Thanks pelas dicas. Hoje vou fazer hamburguers de lentilhas laranja. Também na receita que me deram não são cozidas, mas apenas demolhadas. Estão a demolhar desde ontem. Vou experimentar por um pouco de farelo então. Parece-me realmente boa ideia.
    Quanto ao curso, ainda não acabei a "formatura", ainda que já só faltem duas sessões. É um fim de semana por mês, durante um ano lectivo. Estou realmente a gostar bastante, como se vê nos cozinhados. Pois se tu já pedias por vezes um bitoque sem bife, isso estava longe de ser o meu hábito e, hoje.. não me espantava que o fizesse! Ele há coisas...
    Bons cozinhados também para ti!

    ResponderEliminar
  5. Já fiz os hamburguers (ou pataniscas, para ser mais português) de lentilhas. Ficaram bastante bons, de facto. Grazie pelas dicas!

    ResponderEliminar